Congresso internacional Coleções Literárias: Textos/Imagens tem inscrições gratuitas

Entre os dias 5 a 7 de junho de 2013, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) será a sede do congresso internacional Coleções Literárias: Textos/Imagens. O evento tem como questão central a imagem, uma forma de expressão fundamental para áreas como literatura, teatro, pintura e cinema, entre outras. As inscrições, gratuitas, como ouvintes vão até o dia 4 de junho. A programação será no Auditório Henrique Fontes, Centro de Comunicação e Expressão (CCE), campus Trindade da UFSC.

O evento tem quatro temas principais: movimentos e translações nas artes; anacronismos, montagens; arquivos, coleções literárias; e sobrevivência das imagens. Para debatê-los professores do Brasil e do exterior, além de ilustradores, poetas, tradutores, artistas e estudantes.

Um dos destaques será a mesa de abertura, “Movimentos e translações nas artes”, com os professores, Uwe Fleckner, Universidade de Hamburg, Raúl Antelo (UFSC), Georg Otte, da Universidade Federal de Minas Gerais, e Maria Aparecida Barbosa (UFSC).

O evento é uma realização da Pós-Graduação em Literatura (PPGL), Pós-Graduação em Estudos da Tradução (PGET) e do Departamento de Língua e Literatura Estrangeiras (DLLE), com apoio do CNPq, Capes, UFSC, CCE e Núcleo de Estudos Interdicisplinares de Italiano (NEIITA).

Confira a programação.

Mais informações:
http://colecoesliterarias.blogspot.com.br
Contato: Esta imagem contém um endereço de e-mail. É uma imagem de modo que spam não pode colher.

Anúncios

12º Prêmio Literário Livraria Asabeça 2013

 

A Livraria Asabeça organiza anualmente, desde 2002, o Prêmio Literário Livraria Asabeça, com o apoio da Scortecci Editora, para autores brasileiros, maiores de 18 anos, residentes ou não no Brasil.
O concurso de 2013 contemplará LIVROS DE POESIA de AUTOR INÉDITO.

AUTOR INÉDITO é aquele que nunca publicou um livro.
Considera-se livro a publicação de textos escritos em fichas ou folhas, não periódica, grampeada, colada ou costurada, em volume cartonado, encadernado ou em brochura, em capas avulsas, em qualquer formato e acabamento (Lei do Livro Nº 10.753, de 30 de outubro de 2003).
AUTORES com obras publicadas em antologias, coletâneas, blogs, sites e mídias sociais NÃO perdem a condição de AUTOR INÉDITO.
O Prêmio Literário Livraria Asabeça tem por objetivo publicar novos talentos e promover a literatura brasileira.
REGULAMENTO Inscrições grátis, somente pelos CORREIOS, até 31 de agosto de 2013, valendo a data postal.
Ao fazer a inscrição, o AUTOR concorda com as regras do concurso, autorizando, inclusive, a publicação da obra pela Scortecci Editora e responderá por plágio, cópia indevida e demais crimes previstos na Lei do Direito Autoral.
A Livraria Asabeça escolherá uma Comissão Julgadora de renomado prestígio literário e uma Comissão Organizadora, que resolverá os casos omissos deste regulamento, se houver.

O AUTOR poderá participar com apenas uma obra, obrigatoriamente inédita, com 60 até o limite máximo de 68 páginas, em papel formato A-4, digitado em corpo 12, espaço 1,5, impresso de um só lado da folha, em Times New Roman ou Calibri.

Não há necessidade de enviar junto com a obra prefácio, apresentação, sumário, dedicatória, agradecimento, desenhos e ilustrações. Em caso de premiação a EDITORA solicitará ao AUTOR os elementos pré-textuais.

AUTORES com obras publicadas em antologias, coletâneas, blogs, sites e mídias sociais NÃO perdem a condição de AUTOR INÉDITO.

O livro deverá estar em língua portuguesa, o que não impede o uso de termos estrangeiros no texto.
A obra deverá ter obrigatoriamente um TÍTULO.
NÃO há necessidade de uso de pseudônimo (nome literário).
INSCRIÇÕES: Enviar junto com a obra, no final (última folha), em encadernação espiralada, em uma ÚNICA CÓPIA, as seguintes informações:

     Nome completo (Igual ao do RG)      Endereço / Cidade / Estado / CEP      DDD / Telefone      Email de contato      Número do RG      Cópia de comprovante de residência      Minibiografia de até 10 linhas      Título da Obra      Declaração de Autor Inédito
Exemplo

ENVIAR PARA: 12º PRÊMIO LITERÁRIO LIVRARIA ASABEÇA 2013 Rua Dep. Lacerda Franco, 107 Bairro de Pinheiros – São Paulo, SP – CEP 05418-000
PRÊMIO e DIREITO AUTORAL Contrato de publicação da obra com a Scortecci Editora de 150 (cento e cinquenta) exemplares, sendo 100 exemplares para lançamento e comercialização através da Livraria Asabeça e 50 (cinquenta) exemplares inteiramente grátis para o autor, no formato 14 x 20,7 cm, miolo em preto e branco, papel 75 gramas, capa colorida com papel cartão 250 gramas, com orelhas.
Os livros terão ISBN, Ficha Catalográfica e selo Editorial Scortecci / Livraria Asabeça.

A título de Direito Autoral, cada autor receberá 10% (dez por cento) sobre o preço de capa dos exemplares comercializados, pelo prazo de 1 (um) ano ou até o término da edição, o que acontecer primeiro. Após o término do contrato, o autor poderá adquirir o saldo dos livros com desconto de 80% sobre o preço de capa. Não havendo interesse por parte do autor, os livros serão distribuídos gratuitamente para bibliotecas e escolas públicas ou utilizados para promoção do próprio Prêmio Literário Livraria Asabeça. Cada exemplar da obra será comercializado através da Livraria Asabeça ao preço de R$ 25,00.
OBSERVAÇÕES: – Os originais não serão devolvidos. – O AUTOR vencedor autoriza o uso de seu NOME e IMAGEM pela Scortecci / Livraria Asabeça para fins de divulgação, veiculação e comercialização da obra. – A Scortecci fornecerá gratuitamente ao AUTOR vencedor: Convites, e-mail marketing, marcadores de livros, frete e divulgação da obra. – Todas as despesas de edição, produção e comercialização da obra serão pagos e de responsabilidade da Scortecci editora. – O resultado do 12º Prêmio Literário Livraria Asabeça 2013 dar-se-á até 31 de dezembro de 2013 e será publicado oficialmente no Portal Concursos e Prêmios Literários. – O AUTOR vencedor se obriga a entregar à Scortecci Editora, no prazo de até 15 dias, após a divulgação do resultado, o arquivo digital da obra.

CRONOGRAMA: – Inscrições: até 31 de agosto de 2013. – Resultado: até 31 de dezembro de 2013. – Lançamento da obra: Em 2014 em data e local escolhidos pela editora em comum acordo com o Autor.
MAIS INFORMAÇÕES: asabeca2013@concursosliterarios.com.br
Telefone: (11) 3032-1179 HC com Cristina Matos.

Graciliano será o autor homenageado na Flip de 2013

 

 

Graciliano Ramos será o homenageado da 11ª Flip (Festa Literária Internacional de Paraty), que será realizada entre os dias 3 e 7 de julho de 2013. No próximo dia 27 de outubrose completam 120 anos do nascimento do autor, natural de Quebrângulo, Alagoas. Escritor, jornalista e político, Graciliano Ramos teve uma vida em que a literatura e a política se entrelaçaram e, não raro, as convicções e atividades políticas inspiraram suas obras de forte conteúdo social.

Memórias do Cárcere revela sua amarga experiência no período em que esteve preso durante a ditadura de Getúlio Vargas, em 1935, acusado de subversão. Vidas Secas, um de seus mais celebrados trabalhos, retrata, por meio de um relato indignado, as agruras dos retirantes nordestinos castigados e humilhados pela seca.

A crítica da sociedade e a autocrítica do artista estão ligadas na obra de Graciliano Ramos. A reflexão sobre as implicações éticas da escrita resulta, em seus livros, numa constante avaliação e revisão dos próprios procedimentos. Em vez da prosa documental de tantos autores engajados do mesmo período, o que se vê então é uma obra em que o próprio compromisso político conduz à experimentação, pois está vinculado a um espírito crítico rigoroso e hostil ao dogmatismo”, assinala Miguel Conde, curador da 11ª Flip, ao explicar a escolha do homenageado.

De acordo com Mauro Munhoz, diretor-geral da Flip, a escolha de Graciliano Ramos como homenageado se traduz não apenas nas atividades durante o evento mas, também, na estreita aproximação do autor e de sua produção literária com a comunidade local durante todo o ano. “Os alunos das escolas de Paraty vão estudar a vida e a obra do autor desde janeiro do ano que vem e serão realizadas ações permanentes para que moradores e visitantes de Paraty possam ter uma proximidade ainda maior com esse importante escritor”, explica Munhoz, que também preside a Associação Casa Azul, entidade realizadora da Flip.

Mário de Andrade (1893-1945)

O poeta declamou: “Morte ao burguês!”. Seguem-se vaias, batidas de pés, batatas jogadas no palco, gritos. Alto, queixo enorme, um início de calvície, o pacato e tímido Mário de Andrade estava transfigurado. Os senhores de casaca e suas esposas escandalizadas aproveitavam o intervalo para se retirar. No saguão, entretanto, havia uma grande confusão. Lá estavam expostos quadros horríveis, cheios de manchas coloridas, que chamavam de arte moderna. E o poeta desaforado estava ali, falando entusiasmado sobre as telas, enquanto os espectadores assoviavam. A conferência, no entanto, não foi curta, e as vaias foram diminuindo. Houve quase silêncio, apenas acompanhado de olhares reprovadores. Mário reclamou: “Se não houver vaias eu não falo mais!”. Assim foi a Semana de Arte Moderna de 22, da qual Mário de Andrade foi um dos protagonistas.

Nascido em São Paulo em 1893, ele punha uma palpitante inquietação intelectual em tudo o que fazia: poeta, romancista, contista, crítico literário, teórico de arte, musicólogo, folclorista. Dirigiu, ainda, o Instituto de Artes da Universidade do Distrito Federal, reorganizou o Instituto Nacional do Livro e elaborou o anteprojeto do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Vamp (Benedito Duarte)/ Acervo ParticularMário de Andrade (1893-1945)Ampliar

  • Mário de Andrade (1893-1945)

Em 1911, Mário ingressou no Conservatório Dramático e Musical de São Paulo. Seis anos depois, quatro fatos importantes marcaram sua vida: a morte do pai, a conclusão do curso de piano, o início da amizade com Oswald de Andrade e a estréia literária, com o livro Há uma Gota de Sangue em Cada Poema.

Em 1921, já integrante do grupo modernista de São Paulo, publicou uma série de artigos no Jornal do Comércio, nos quais analisa a poesia de autores consagrados do Parnasianismo: “Malditos para sempre os Mestres do Passado! Que o universo se desmantele porque vos comportou! E que não fique nada! Nada! Nada!”.

Em 1922, participa ativamente da Semana de Arte Moderna. No segundo dia de espetáculos, durante o intervalo, em pé na escadaria, Mário de Andrade leu algumas páginas de A Escrava que não é Isaura. O público reagiu com vaias. Publicou, no mesmo ano, o livro de poemas Paulicéia Desvairada, cujo Prefácio Interessantíssimo sistematiza as bases estéticas do Modernismo.

Ainda nesse período colabora com as revistas Klaxon, Estética e Terra Roxa. Em seu primeiro romance, Amar, Verbo Intransitivo, Mário desmascara a estrutura familiar paulistana. Ele também escreveu importantes ensaios, reunidos em volumes como O Empalhador de Passarinhos. Mas sua grande obra foi mesmo Macunaíma, de 1928, um marco na literatura brasileira. Combinando romance, epopéia, mitologia, folclore e história, Mário traça um perfil do brasileiro, com seus defeitos e virtudes, criando a saga do herói sem caráter.

Fonte:
Livro 
100 Brasileiros (2004)